Cosplay em família é ainda mais divertido. O Arthur Simon Zanella nos conta esta semana a experiência de conviver com a saga Star Wars desde pequeno, e ter participado das situações mais inusitadas com seus cosplays!

____________________________________________________________________

“Conheço Star Wars desde que me entendo por gente. Para falar a verdade não me recordo de nehuma fase da minha vida em que a saga não estivesse presente. Como meus pais sempre foram fãs, nasci nesse meio e sou muito agradecido por isso, pois graças a Star Wars pude conhecer muitas pessoas e fazer grandes amigos. Mesmo pequeno já ficava nas pontas dos pés para alcançar as fitas VHS da antiga trilogia e assistir, já naquela época, pela enésima vez.

Logo que o Episódio I foi lançado, comecei a participar de eventos de Star Wars promovidos pelo Conselho Jedi SP e me encantar com os personagens passando ao vivo diante dos meus olhos. Como tinha a idade aproximada do Anakin Skywalker naquela época, houve uma forte identificação e pedi para minha mãe montar aquele cosplay. Desde então não parei mais, já foram duas versões de Anakin Skywalker, um jovem Boba Fett, Obi-Wan Kenobi, Stormtrooper, Clonetrooper e hoje meu cosplay favorito talvez seja o de Imperador Palpatine.

Sempre fui uma criança muito tímida, mas é engraçado ver como me sentia a vontade nos encontros dos fãs, inclusive a ponto de me caracterizar. Meu primeiro cosplay de Anakin do Episódio I foi feito com muito esforço e com pouquíssimos recursos que minha família tinha na época, mas a emoção de se sentir como parte daquele universo junto de outras pessoas é indescritível e me pegou desde aquele momento.

A partir de então pude participar das Jedicon seguintes com cosplays dos outros episódios que eram lançados, como o pequeno Boba Fett de O Ataque dos Clones e o Anakin de A Vingança dos Sith, com direito também à uma invasão de outro universo na JediCon, quando fui de Harry Potter (outra saga que impactou muito minha infância e juventude). Na época era mais raro ver personagens de franquias diferentes nos eventos de Star Wars, mas acredito que foi uma inovação muito divertida e saudável do Conselho Jedi SP em trazer outros fã-clubes nas JediCon, no antigo Mazzaropi. Já era uma grande contribuição para toda a comunidade nerd, que não era vista com olhos tão amigáveis como os de hoje.

De garoto prodígio a filho de caçador de recompensas e por fim Jedi obscuro, o meu caminho sempre tendeu ao lado sombrio. Existem fotos minhas muito antigas que já faço pose como se estivesse soltando raios com as mãos, e meu primeiro action-figure foi um Imperador Palpatine, que também acendia raios. Não tem como negar: o ser mais diabólico da galáxia distante sempre me fascinou, e principalmente sua habilidades elétricas.

Comecei meu cosplay de Palpatine com o incentivo do meu amigo Dirceu, que tinha comprado as primeiras peças de seu traje de Darth Vader, e com quem atuo até hoje nas situações mais inusitadas possíveis. A primeira versão do meu cosplay foi uma adaptação da capa que usava como Anakin e já estreamos andando no meio da Av. Guapira, no Jaçanã. Desde então, nosso time já participou de corridas, matérias de TV, exposições, invasões na Câmara Municipal de SP e até em reuniões budistas. Um dos episódios mais exóticos foi na reinauguração da ACME Brinquedos, quando saímos em uma carreata Imperial pelas ruas do bairro do Tremembé.

Tenho que admitir que ficou muito mais divertido quando pude participar desse mundo cosplay com minha família e amigos. Ter um pai Boba Fett, uma mãe Jedi, namorada Princesa Leia, tio Stormtrooper e muitos outros amigos compartilhando tanto as apresentações como o backstage contigo é sensacional.

E além da experiência como personagem é muito bom ter esse gostinho, mesmo que ínfimo, de ser ator. Sempre em nossas reuniões discutimos detalhes dos figurinos em si, mas também como nossos personagens agem nos filmes e como agiriam nas situações pelas quais passamos com o cosplay. Buscamos, sempre em clima de diversão, é claro, manter uma fidelidade com a personalidade dos personagens, pois sabemos que naquele instante entramos no mundo de sonhos de cada fã, e por esse mundo temos o maior respeito.

Hoje, depois de mais de duas décadas, me sinto muito orgulhoso de continuar participando dessa comunidade cosplayer que já está em outra geração, mas que ainda acolhe membros como eu ou ainda mais jurássicos. Brincadeiras à parte, é incrível ver essa união de pessoas das mais variadas origens sob uma bandeira pacífica e enriquecedora como a de Star Wars. Novos figurinos ainda virão! Agradeço do fundo do coração por continuarem brincando comigo e espero continuar cosplayer enquanto puder. Desculpem se algum dia assustei alguma criancinha da sua família, afinal, é minha especialidade agora!”

____________________________________________________________________

Quer contar sua experiência como cosplayer? Escreve pra gente no endereço conteudo@conselhosp.com.br, e não esqueça de mandar fotos de boa qualidade! Até a semana que vem!

ABOUT THE AUTHOR

Curador cultural especializado no segmento nerd. Coordenou o projeto Geek.Etc.Br na Livraria Cultura entre 2012 e 2016, e atualmente é consultor na V&F Consultoria e Eventos. É editor do site Hipertextos, e estreou como roteirista de quadrinhos no final de 2016, no projeto Pátria Armada - Visões de Guerra. Presidiu o Conselho Jedi São Paulo, em curtíssima temporada, em 2001, e hoje faz a gestão de conteúdo do grupo.